Patrícia Diaz e Tereza Perez*

Os candidatos eleitos que assumirem a presidência e os postos de governador estadual em 2023 terão de lidar com a dívida com a alfabetização, que só aumentou nos últimos anos. O tempo em que ficamos com as escolas fechadas, com atividades remotas alcançando somente alguns estudantes, deixou marcas no nosso já combalido cenário da alfabetização. Os primeiros estudos divulgados após a reabertura das escolas já mostravam que o número de crianças de 6 e 7 anos que não sabem ler e escrever só cresce.

Eram 2,4 milhões de pequenos cidadãos nessa situação no início do ano.

Mas por que o ensino remoto atingiu especialmente o processo de alfabetização? Alfabetizar-se exige interagir com o professor e com outros alunos. É mostrando o que se escreve, perguntando e comparando que as crianças vão avançando nas suas hipóteses sobre o sistema de escrita. Aos 7 anos, no 2º ano do Fundamental, um estudante teria tido inúmeras dessas situações e recebido o apoio para começar a se apropriar do complexo sistema pelo qual nos comunicamos. Idealmente teria tido também acesso a um bom e diversificado repertório de livros e a muitas experiências como ouvintes de leituras e como produtores de textos. Mas isso não ocorreu.

Assim, é necessário que estudantes do 3º ano contem com intervenções intensivas para avançar nos conhecimentos sobre como se escreve e sobre como se lê. Entendendo a apropriação dos conhecimentos iniciais de Matemática como parte do processo de alfabetização, essa mesma qualidade de intervenções se faz necessária para apoiar os alunos a aprenderem a contagem e as operações, especialmente de adição e subtração.

O investimento na alfabetização deve se estender até os estudantes do 7º ano, que também podem não ter consolidado seus aprendizados e carregar as dificuldades de leitura e escrita na sua trajetória escolar. Sabemos que estar na escola não garante aprendizado: o analfabetismo é um problema crônico num país que naturaliza a desigualdade. O Indicador de Alfabetismo Funcional (Inaf), que afere o alfabetismo de 15 a 64 anos, mostrava, na edição de 2018, que 13% dos estudantes que chegam ou concluem o Ensino Médio são analfabetos funcionais, ou seja, não conseguem realizar tarefas simples que envolvem a leitura de palavras e frases ou são apenas capazes de localizar informações explícitas em textos simples.

A desigualdade educacional opera pelas linhas regionais e pelo racismo estrutural na sociedade, excluindo negros, indígenas, populações ribeirinhas, populações do campo; assim vemos a inequidade se evidenciar quando olhamos para as diferentes regiões e para o critério de raça e cor.

É imperativo que haja, em cada localidade e no Ministério da Educação, gestores públicos que invistam em uma política de alfabetização, tendo como base a definição dos professores alfabetizadores e o investimento na sua formação. Secretários de educação precisam se desafiar a ter em suas redes os melhores professores para alfabetizar crianças, adolescentes, jovens e adultos. Educadores que conheçam a didática da alfabetização e da matemática; que tenham tempo remunerado para registrar, refletir, estudar e planejar; empenhados em compartilhar com os colegas avanços e dificuldades. Que não tenham medo de arriscar e inovar para ensinar mais e melhor a todos.

*Patrícia Diaz e Tereza Perez são diretoras da Comunidade Educativa CEDAC

O texto acima expressa a visão de quem o assina, não necessariamente do Congresso em Foco. Se você quer publicar algo sobre o mesmo tema, mas com um diferente ponto de vista, envie sua sugestão de texto para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

AUTORIA

CONGRESSO EM FOCO

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.