Com a sucessão de derrotas do Ministério Público Federal (MPF), procuradores já passam a defender um novo julgamento para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso do triplex do Guarujá. Condenado sem provas e em meio a uma relação criminosa entre o ex-juiz Sergio Moro e a operação Lava Jato, Lula está preso em Curitiba (PR) desde 7 de abril do ano passado.

A coluna de Mônica Bergamo, na Folha de S.Paulo, ouviu um dos integrantes do MPF que participou diretamente da força-tarefa na equipe do ex-procurador Rodrigo Janot. Conforme informa a seção nesta segunda-feira (30), esse membro do MPF acredita que apenas outro julgamento pode “afastar as inúmeras suspeitas que passaram a pesar” sobre os procuradores da Lava Jato e Sergio Moro – que hoje é ministro do governo Jair Bolsonaro (PSL).

Ainda segundo a Folha, o julgamento de Lula no processo do sítio de Atibaia não deve ocorrer antes do final de outubro. Integrantes do TRF-4 dizem que a discussão sobre o recurso do petista só será marcada depois que Supremo Tribunal Federal (STF) terminar de analisar tese que pode anular sentenças da Lava Jato – inclusive a que trata desse caso na primeira instância.


Com informações da Folha de S.Paulo