Os super-ricos já recuperam as perdas econômicas provocadas pela pandemia de coronavírus, de acordo com o estudo "O Vírus da Desigualdade" elaborado pela ONG Oxfam. No portal G1 | Economia

O levantamento completo vai ser divulgado, nesta segunda-feira (25), como contraponto ao encontro de Davos (Suíça) do FSE (Fórum Econômico Mundial).

De acordo com a Oxfam, a lista da Forbes em 18 de março — pouco depois de a OMS declarar a pandemia de coronavírus — incluía 2.095 bilionários com uma riqueza total de US$ 8,03 trilhões.

Em 31 de dezembro, eram 2.357 bilionários com patrimônio de US$ 11,95 trilhões.

"Portanto, a riqueza de todos os bilionários presentes na lista da Forbes em dezembro aumentou em US$ 3,91 trilhões em relação a todos os bilionários que estavam na lista de março", apontou a Oxfam.

Num recorte mais detalhado, das 10 pessoas mais ricas do mundo, a ONG observou crescimento do patrimônio durante a pandemia.

A Oxfam estima que a desigualdade deve piorar em quase todos os países por causa da pandemia do coronavírus, o que, segundo a entidade, "é algo que acontece pela primeira vez desde que as desigualdades começaram a ser medidas há mais de 100 anos".

"A pandemia escancarou as desigualdades  no Brasil e no mundo. É revoltante ver um pequeno grupo de privilegiados acumular tanto em meio a uma das piores crises globais já ocorridas na história”, afirma Katia Maia, diretora executiva da Oxfam Brasil.

O Banco Mundial estima que pandemia pode jogar 100 milhões de pessoas na extrema pobreza.

Fonte: Diap

https://www.diap.org.br/index.php/noticias/noticias/90232-super-ricos-recuperam-perdas-economicas-provocadas-pela-pandemia-diz-oxfam