Por Anaïs Fernandes e Victor Rezende, Valor — São Paulo

Passada a recuperação da atividade em 2021, após o tombo de 2020 com a pandemia, o Produto Interno Bruto (PIB) deve retornar, em 2022, à toada de baixo crescimento que tem marcado o Brasil nos últimos anos. O aperto das condições financeiras, sobretudo pela alta dos juros, deve ser o principal fator conjuntural a dificultar o avanço da economia, enquanto agropecuária, recomposição de estoques na indústria e investimentos públicos de Estados e municípios podem ajudar a evitar um desempenho ainda pior do produto.

Os desdobramentos da ômicron no Brasil, por sua vez, ainda trazem dúvidas neste início de ano, mas, por ora, economistas avaliam que os impactos sobre a atividade devem ser limitados.

Pesquisa do Valor com 105 instituições financeiras e consultorias indica um crescimento mediano do PIB brasileiro de 4,6% em 2021 e de apenas 0,4% em 2022 — 26 casas projetam contração da atividade neste ano e outras 13 preveem um PIB estagnado.